Tríada - Evolua em todos os sentidos | Corpo - Mente - Alma

Página Inicial » Amor e sexo » Kama sutra e tantra Tantra: o caminho da...

Tantra: o caminho da plenitude

Publicado por Redação em 12/11/2010 às 17h46

Uma filosofia em que as mulheres são consideradas deusas, o sexo é sagrado e a união entre dois amantes atinge um nível espiritual. Parece sonho? Então descubra o tantra agora mesmo

Texto • Fabiana Oliveira
 


 

Quando se houve falar sobre tantra, é quase automática a associação com a palavra sexo. Em uma época de apologia ao prazer, qualquer técnica ou filosofia que garanta sua expansão atrai curiosos. No entanto, engana-se quem pensa que o tantra se restringe ao campo sexual. Ele é, na verdade, uma filosofia comportamental que reúne uma série de práticas que buscam a integração completa entre mente, corpo e espírito. Nesse universo, a energia sexual é concebida como um caminho para o crescimento interior e causa mudanças não apenas na cama, mas na vida de quem o adota.
 

Mulheres divinas

A filosofia tântrica foi desenvolvida por um povo chamado drávida, há mais de cinco mil anos, em uma região que hoje é a Índia. Tratava-se de uma civilização agrícola (não-guerreira), que não tinha religião, e via a mulher como deusa, em virtude de seu dom de gerar. Exatamente por ser o meio pelo qual a mulher exerce sua capacidade reprodutora, o sexo passou a ser valorizado e tratado como algo sagrado.

O tantra, em sua essência, tem características dessa sociedade matriarcal, que promovia o uso dos sentidos e se opunha a qualquer repressão ou preconceito. Ele se dividiu em duas correntes distintas: Tantra da Mão Direita (ou Dakshina Tantra Yoga) – menos conhecido –, e Tantra da Mão Esquerda (ou Vama). O Tantra da Mão Direita considera que cada ser humano possui em si todos os pressupostos que lhe possibilitam alcançar o autoconhecimento e atingir a felicidade. O da Mão Esquerda preconiza que a energia sexual inerente a cada um, em vez de ser reprimida, deve ser canalizada para todos o setores da vida, gerando disposição e felicidade.
 

Sexo no altar

A cultura ocidental trata o sexo como algo pecaminoso, sujo e proibido. Aqueles que assumem ter libido intensa, especialmente as mulheres, são vítimas de apelidos depreciativos, que colocam em xeque até seu próprio caráter. O tantrismo propõe valores completamente antagônicos aos de nossa sociedade ao dizer que o sexo é sagrado.

A filosofia indiana reconhece a energia sensual interior de cada um e nos livra do medo e da culpa de assumir que o sexo pode ser o caminho para o autoconhecimento, o aumento da sensibilidade, da harmonia entre os casais e do ânimo diante das outras áreas de nossas vidas. O tantra vê o ato sexual, o qual denomina de maithuna, como muito mais do que uma relação física, mas uma experiência que transcende o espaço e o tempo e envolve corpo, mente e espírito.
 

Explosão de prazer

Em sociedades patriarcais, como a nossa, durante o sexo, o papel ativo cabe ao homem. Sua satisfação é o objetivo principal. Ele se concentra na aceleração de seus movimentos e abrevia a ejaculação, como se este fosse o ponto culminante do ato. Acostumadas, as mulheres, em sua maioria, não apenas se conformam, mas se empenham para que seu parceiro atinja logo esse momento tão esperado. Para tal, chegam a renunciar ao próprio prazer.

Nossa cultura limita o sexo à área genital. Para o adepto do tantra, o maithuana ultrapassa essa esfera e é conduzido pela mulher. Todo o corpo é explorado, pedaço a pedaço. O homem tântrico protela o quanto pode a ejaculação – já que ela causa o cansaço que o impede de continuar –, usando para isso muita concentração e exercícios. Segundo ele, a retenção do sêmen é um verdadeiro estoque de energia que, ao final, se transforma em uma incrível explosão de prazer.

Ao contrário do sexo convencional, no tântrico, os orgasmos não encerram o contato íntimo. É possível ter uma porção deles, mas ainda assim continuar. É por isso que o maithuana dura, em média, cerca de sete horas!  Só para se ter uma ideia, a média mundial de duração em uma relação comum é de apenas 15 minutos.

Depois de saber tudo isso, a pergunta que fica é: por que o tantra não se torna uma prática popular? Simplesmente porque não basta mudar de atitude na cama, como muita gente pensa. É verdade que os exercícios tântricos podem elevar a qualidade do sexo, porém não são suficientes. Para fazer sexo tântrico é preciso que os dois participantes estejam envolvidos espiritualmente. A entrega não é apenas física.

Além disso, é preciso conservar sua saúde, abandonar vícios e não ingerir qualquer substância que altere seu nível de consciência e obstrua os canais energéticos do corpo. Logo, não adianta você simplesmente decidir que fará sexo tântrico esta noite, mas sim, adotar um novo estilo de vida.



Página 1 de 3
 
Recomendar Comentar Enviar por email Compartilhar Imprimir
COMPARTILHE NA REDE
ENVIAR POR EMAIL
Matérias relacionadas
Deixe seu comentário
lycia sfeir cordeiro comentou às 20h24 em 15/12/2014 responder denunciar

Gostei muito desse artigo sobre a filosofia do tantra. Acho também que o tantra é uma postura de vida e não apenas posições físicas. Parabéns pela materia que é fácil de entender e inteligente.

cheap louis vuitton comentou às 02h54 em 17/03/2013 responder denunciar

I like the helpful info you provide in your articles. I will bookmark your weblog and check again here frequently. I am quite sure I will learn a lot of new stuff right here! Good luck for the next! [url=http://www.brandbagsforcheap.com/]cheap louis vuitton[/url] cheap louis vuitton

Denunciar abuso no Site

Você está ajudando o Triada a controlar o conteúdo que está violando as políticas de privacidade do site.
Onde está o abuso que você está denunciando?


Adicione um comentário sobre essa denúncia:



Enviar

Obrigado!




  • + Da Semana
  • + Do Mês
  • + Comentadas
Inscreva-se em nossa Newsletter e receba em seu email nossas atualizações.

Twitter

Acompanhe-nos no twitter e fique por dentro das notícias em tempo real!
Siga-nos »
ACOMPANHE-NOS TWITTER ORKUT RSS NEWSLETTER