Tríada - Evolua em todos os sentidos | Corpo - Mente - Alma

Página Inicial » Bem-estar e saúde » Autoajuda Será que você se aut...

Será que você se autossabota?

Publicado por Redação em 29/10/2010 às 19h12

Dando atenção a si mesmo e tendo coragem para encarar o passado é possível resolver um problema que pode ter origem na infância e passar despercebido na vida adulta: a repetição inconsciente de comportamentos negativos

Texto • Redação

Um menino de 12 anos prometeu para si mesmo que nunca faria o que seu pai fez: abandonar esposa e filhos. Porém, 30 anos depois, o mesmo garoto – agora um homem – deixa sua família. Uma mulher que terminou um relacionamento destrutivo está agora apaixonada por um homem com as mesmas características de seu ex-namorado. E um advogado que nunca conseguiu agradar o próprio pai tem um chefe que acredita que elogiar não é produtivo. Soa familiar? Pode não ser o seu caso propriamente dito, mas algum deles certamente se encaixa, ao menos, na história de alguém conhecido. Esses são alguns dos comportamentos repetitivos com os quais o psicólogo Stanley Rosner se deparou ao longo de sua trajetória profissional. No livro O ciclo da auto-sabotagem, ele oferece uma análise esclarecedora sobre a compulsão por repetição – a tendência de reproduzir atitudes destrutivas. Para resolver esse problema, comum à maioria das pessoas, a resposta é autoconhecimento. Acompanhe, a seguir, um trecho da obra.
 

O ciclo da autossabotagem

Muitos de nós gostam de criar, experimentar, viajar, aprender, crescer (...) Mas existem pessoas que além de não conseguir enfrentar esses desafios e aventuras, são incapazes até de imaginar tal coisa. Esses indivíduos agarram-se à crença de que a única maneira realmente boa e correta de levar a vida é seguir precisamente os passos de outrem – frequentemente dos pais.

A menininha que se equilibrava nos sapatos de salto da mãe, por exemplo, cresce para se tornar uma adulta que forçosamente usará o mesmo tipo de sapato. Nesse contexto, é comum adquirirmos traumas que nos influenciarão por toda a vida adulta, impedindo que tenhamos controle sobre certos aspectos do cotidiano. Quando não podemos obter o controle, às vezes reprimimos ou enterramos nossos sentimentos e memórias. Tal repressão é uma forma de nos proteger de experiências que perturbam nosso equilíbrio emocional, experiências tão ruins que não conseguimos sequer mantê-las na consciência.

Como esses conflitos são resolvidos? A resposta é “com dificuldade”. Sintonizar memórias e sentimentos dolorosos, reprimidos há muito tempo, gera medo e ansiedade do que virá à tona e do efeito disso. Depois de muitos anos protegendo-nos de nossos sentimentos, é assustador vivenciá-los; é como se o indivíduo ficasse desamparado pelo mundo.

Aí está o obstáculo. Vivemos com nossa capa de proteção e nos deixamos levar pelos movimentos da vida. Conseguimos empregos, fazemos nosso trabalho, nos casamos e temos filhos. Por que incitar a fera que está escondida? Por que não evitá-la e abandonar tudo? Divorciar-se, largar o emprego, abandonar as crianças, e justificar tudo isso como má oportunidade, um chefe estúpido, uma esposa traiçoeira, crianças ingratas. É mais fácil seguir em frente, apesar das consequências reais, do que mergulhar na causa das tensões, frustrações e decepções.

Então, nos defendemos reprimindo as memórias e os sentimentos que as acompanham. Desse modo, acreditamos que os esquecemos. Mas não conseguimos, pois tais sentimentos deflagram a raiva e desejos de vingança, ou depressão e pensamentos distorcidos. Será que esses sentimentos vão-se com tanta facilidade? É claro que não.
 

Mergulho de cabeça

Ter consciência do próprio comportamento de autossabotagem é o primeiro passo para resolver essa situação. Mas encarar os resultados desse comportamento também é essencial. O insight não é apenas o reconhecimento de que sintomas incômodos estão causando problemas, mas que tais sintomas têm uma causa – afinal, nada acontece por acaso.

Depois, vem o trabalho de consternação, essencial para solucionar os padrões de autossabotagem. A consternação significa o reconhecimento – a admissão – dos relacionamentos perdidos e sabotados. Significa admitir o próprio comportamento autodestrutivo, o que poderia ter sido e nunca foi, vivenciar a mágoa e a dor da decepção, da desconsideração, e o medo da perda à custa da própria felicidade. Significa deixar para trás a bagagem do passado.

No entanto, o passado não deve ser negado. Deve ser encarado como parte da experiência de vida do indivíduo. O domínio do passado permite que o indivíduo se mova em direção ao futuro, que não espere que o cônjuge, o chefe, o filho compense na vida adulta aquilo que não recebemos na infância. Alcançar a compreensão do que estivemos fazendo por tanto tempo, estabelecer as conexões com nossos sentimentos e encará-los não é algo fácil ou rápido. Pode ser devastador perceber que passamos a vida inteira assim.

O que mais contribui para a solução? Enquanto negarmos nossa participação nos problemas e não admitirmos francamente nossa contribuição, o ciclo vai continuar. A tendência de negar e de não reconhecer nossa responsabilidade, de rejeitá-la, é muito difundida, e por que não? É difícil encarar que sou eu que procuro a agressão, que sou eu que boicoto meus relacionamentos, que sou eu o responsável pelas dificuldades que continuo enfrentando com chefes, cônjuges e com os filhos. Esse “pertencimento” significa assumir a responsabilidade pela situação em que você se encontra. Só assim dá-se o primeiro passo à frente, rumo à liberdade.
 

 

O CICLO DA AUTO-SABOTAGEM
Stanley Rosner e Patrícia Hermes
Editora BestSeller (Record)
www.record.com.br

 

 
Recomendar Comentar Enviar por email Compartilhar Imprimir
COMPARTILHE NA REDE
ENVIAR POR EMAIL
Matérias relacionadas
Deixe seu comentário
authentic mbt shoes sale comentou às 21h46 em 17/01/2014 responder denunciar

shoes sale usa Será que você se autossabota? Bem-estar e saúde Autoajuda authentic mbt shoes sale http://www.conheceracrise.com/mbt-outlet-store-oregon.asp

Denunciar abuso no Site

Você está ajudando o Triada a controlar o conteúdo que está violando as políticas de privacidade do site.
Onde está o abuso que você está denunciando?


Adicione um comentário sobre essa denúncia:



Enviar

Obrigado!




  • + Da Semana
  • + Do Mês
  • + Comentadas
Inscreva-se em nossa Newsletter e receba em seu email nossas atualizações.

Twitter

Acompanhe-nos no twitter e fique por dentro das notícias em tempo real!
Siga-nos »
ACOMPANHE-NOS TWITTER ORKUT RSS NEWSLETTER