Tríada - Evolua em todos os sentidos | Corpo - Mente - Alma

Página Inicial » Bem-estar e saúde » Meditação Sumiê: pintura e med...

Sumiê: pintura e meditação japonesa

Publicado por Redação em 13/10/2010 às 20h06

Mergulhe nessa sutil arte: mais do que uma técnica de pintura, um caminho milenar para o equilíbrio e a paz interior. Prova de que, para meditar, nem sempre é preciso estar de olhos fechados

Texto Analice Bonatto
 

O pincel é erguido perpendicularmente ao washi (papel de arroz), enquanto a mão do artista desliza em pinceladas precisas e definitivas. Os dedos permanecem imóveis e o braço se movimenta de forma ritmada, sem se apoiar na mesa de trabalho. A descrição não se encaixa muito nos conceitos de meditação com os quais estamos acostumados, não é? Quando meditamos, sentados na posição de lótus, nossa atenção está focada totalmente na respiração e no reconhecimento de nosso corpo. No sumiê, ao contrário, ela volta-se para a ação: o artista torna-se a pintura.

Ao observarmos um trabalho de sumiê (“sumi”, tinta e “e”, pintura), podemos notar, na economia de suas pinceladas, certa semelhança com os pequenos poemas japoneses conhecidos como haicais. Esse tipo de arte, originária do Extremo Oriente, é feita em preto-e-branco e produz lindas imagens. O artista usa tinta preta preparada à base de carvão vegetal para fazer o desenho sobre um papel fino e absorvente, como o papel de arroz. Em pinceladas rápidas e espontâneas, faz o registro de algo que é fugaz, passageiro.

“O sumiê é uma arte influenciada pelo espírito zen, cujas formas pictóricas são executadas com uma grande economia de meios. Assim, com poucos traços, é possível captar a essência do objeto abordado”, explica a artista plástica Susan Hirata, exímia nesta arte milenar.

Inspirado na pintura monocromática chinesa da dinastia Song do Sul, o sumiê floresceu no Japão do século 12, à medida que crescia a importância do zen budismo. “Sob o ponto de vista prático, essa busca do que é essencial na pintura se traduziu na economia de pinceladas. Por exemplo, se vou pintar um rosto, em dois ou três traços consigo a expressão da pessoa. No teatro nô, gênero muito conhecido no Ocidente e que influenciou muitos artistas, também é clara esta influência, pois tudo o que é secundário é descartado”, diz Susan.

Podemos dizer que o sumiê é um caminho que nos desperta para a naturalidade da vida. E, em um mundo tecnológico como o nosso, pode ser uma forma poderosa para silenciar a mente e exercitar a concentração. Antes de iniciar a pintura, há um singelo e sutil ritual para o preparo da tinta que proporciona momentos de paz e de contemplação. Assim, enquanto o carvão vegetal é moído na pedra chinesa, em movimentos suaves na forma de oito, a mente se aquieta.
 

Arte do essencial

Aprender o processo de pintura com um pincel de sumiê é difícil e há muitas técnicas de movimento. Em traços ágeis, o artista nos revela imagens produzidas de pinceladas certeiras e definitivas. O trabalho pede muita atenção, pois a tinta não pode ser removida do papel. “A maior dificuldade é o manuseio do pincel. É preciso perseverança e paciência para aprender as técnicas”, explica outra especialista no assunto, a artista plástica Suely Shiba.

Quando Suely tem de desenvolver um tema que nunca fez, estuda os tipos de pinceladas para conseguir obter aquele desenho específico. Para ela, essa é uma arte muito sutil. “As pessoas que querem praticá-la devem prestar atenção em seu interior, pois, sem essa ligação, perde-se o momento característico do ser zen”, diz.

A arte sumiê possui alguns temas recorrentes. Os mais importantes são os quatros nobres, ou shikunshi, em japonês. São eles: o bambu, a orquídea japonesa, o crisântemo e a ameixeira. Há ainda outros temas tradicionais, como o pinheiro japonês, a camélia japonesa, o peixe e o pássaro. Susan Hirata conta que a ameixeira simboliza coragem, pois floresce mesmo no rigoroso inverno japonês, anunciando a primavera. Já o bambu é uma planta peculiar por ter o caule oco. “No Ocidente, a palavra oco é negativa, mas, no Oriente, é associada a uma condição mental a ser almejada, ou seja, busca-se estar vazio de pensamento como o bambu”, ensina.

No Brasil, o sumiê ainda é pouco conhecido e praticado, se comparado às artes marciais japonesas, tão populares entre nós. Mas, se levada em conta a pouca divulgação atual da técnica, as especialistas são otimistas. De acordo com elas, muitos brasileiros têm interesse em aprender a arte por meio dos cursos oferecidos, e os temas ainda pouco explorados atraem os artistas contemporâneos, interessados tanto na estética dos trabalhos como no poder de relaxamento que sua produção traz.
 

 
Recomendar Comentar Enviar por email Compartilhar Imprimir
COMPARTILHE NA REDE
ENVIAR POR EMAIL
Matérias relacionadas
Deixe seu comentário




  • + Da Semana
  • + Do Mês
  • + Comentadas
Inscreva-se em nossa Newsletter e receba em seu email nossas atualizações.

Twitter

Acompanhe-nos no twitter e fique por dentro das notícias em tempo real!
Siga-nos »
ACOMPANHE-NOS TWITTER ORKUT RSS NEWSLETTER