Mude sua vida com Tai Chi Chuan

Publicado por Redação em 10/12/2010 às 16h16

Ele sobreviveu ao tempo, manteve a forma e chegou à modernidade com a corda toda. Fique por dentro desta prática milenar e descubra por que ela é capaz de fazer maravilhas por você

Conceito

Texto • Geisa D'avo

Nos primórdios da civilização chinesa, provável época em que o Tai Chi Chuan foi concebido, não existiam carros e, portanto, não havia a menor possibilidade de alguém ficar preso (e estressado) por horas a fio num engarrafamento. A rotina de um trabalhador daqueles tempos também nada tinha em comum com a que estamos habituados, afinal, passar o dia inteiro dentro de um escritório ou sentado em frente a um computador são costumes exclusivos da nossa sociedade. Isso sem falar da corrida constante contra o relógio e do esgotamento físico e emocional quase inerentes ao homem de hoje.

Situações assim mostram, por si só, o quão distantes já estamos dos chineses que criaram e difundiram esta importante arte milenar. Então, como é possível que, mesmo diante desse abismo de tempo e espaço, uma prática tão antiga como o Tai Chi Chuan continue tão atual?

Para responder a esta pergunta, basta dizer que a técnica oferece um pacote completo ao homem moderno. “O Tai Chi Chuan se compõe de uma arte marcial, de um sistema de saúde e de um sistema de desenvolvimento psicofísico e espiritual. Trata-se de uma sequência de movimentos físicos que são reproduzidos em ‘câmera lenta’, o que o transforma num sistema de aprendizado muito especial e permite que seus praticantes desenvolvam a atenção em profundidade, além de consciência corporal”, lembra Maria Angela Soci, presidente da Sociedade Brasileira de Tai Chi Chuan (SBTCC).

Grosso modo, isso significa que praticá-lo seria como integrar, por exemplo, terapia, meditação e ginástica numa única atividade. É claro que, para reunir tantos atributos, este sistema não ficou congelado no tempo; ao contrário, foi sendo aprimorado geração após geração. E, para entender melhor como isso aconteceu, é preciso relembrar alguns episódios da História chinesa.

Tradição em família

Tradição em família

Não se sabe, ao certo, quando ou como a filosofia Tai Chi surgiu. Mas por muito tempo seus princípios limitaram-se a reconhecer a existência de dois poderes opostos (os famosos Ying e Yang) e a estabelecer a importância de harmonizá-los física e mentalmente para atingir um nível supremo – pensamento bem diferente do ocidental, que já apontava o cristianismo como única maneira de conquistar a verdadeira elevação espiritual.

Estes primeiros conceitos do Tai Chi só começaram a evoluir e tomar outra forma há cerca de 1.700 anos, quando o médico Hua-Tuo buscou referências na natureza e criou a chamada Luta dos Cinco Animais, totalmente inspirada nas relações de equilíbrio e força estabelecidas entre os mais diversos seres vivos.

Essa arte marcial, a primeira sistematizada na China, acabou sendo incorporada e desenvolvida posteriormente pelos monges do Templo Shaolin como parte de um treinamento espiritual baseado na meditação budista. Tempos depois, por volta do ano de 1.200, o monge taoísta Chang-San-feng associou essas técnicas de luta aos princípios do Tai Chi e criou, assim, um sistema que utilizava a arte marcial como meio de estimular e desenvolver ao máximo as ilimitadas habilidades humanas, algo muito semelhante ao Tai Chi Chuan tal como o conhecemos.

Desde então, este aprendizado se transformou numa espécie de legado familiar, sempre transmitido de mestre para discípulo, de pai para filho. Como resultado, existem hoje cinco estilos tradicionais correspondentes a cada uma das famílias chinesas que desenvolveram a arte do Tai Chi Chuan ao longo de todos estes séculos. São eles: Chen, Yang, Wu, Wu Hao e Sun. “Cada família apresenta suas apreciações da arte, com variações fundamentais, mas todas se baseiam nos princípios do Sentido de Centro, Yin e Yang em harmonia, Fortalecimento do Corpo, Fortalecimento da Mente, Exercício da Mente Calma e Desenvolvimento da Atenção, e Controle das Emoções”, explica Maria Ângela.

Sem restrições

Sem restrições

Já que todas a escolas de Tai Chi Chuan preconizam os mesmos objetivos, a prática constante de qualquer uma delas estimula a integração de corpo e mente e, assim, promove benefícios incalculáveis, como afirma a presidente da SBTCC: “é uma atividade que fortalece o corpo todo, estimula o metabolismo, previne enfermidades de todos os tipos, auxilia no processo de cura de enfermidades crônicas, trabalha a respiração, além de trazer muitas outras melhorias físicas e emocionais”.

Mas, evidentemente, para garantir tais benefícios é importante contar com a orientação de um bom professor, que seja capaz de transmitir seu conhecimento de forma segura. Feita a ressalva, o sistema é indicado para todas as idades, desde que haja liberação médica. Aí, basta mergulhar na tradição chinesa para desfrutar desta sabedoria milenar.