Arte marcial do equilíbrio

Publicado por Redação em 06/10/2010 às 19h32

Conhece o kenjutsu? Essa arte marcial milenar fortalece a disciplina e a concentração, além de ser um ótima opção de atividade física – e até mesmo de lazer! Saiba mais a seguir

O equilíbrio do kenjutsu

Texto • Lívia Filadelfo


 

Olhar fixo no adversário. Trajando armadura e empunhando uma espada nas mãos, os guerreiros começam a luta. Os gritos ajudam a extravasar a energia durante o combate. Princípios de coragem e honra determinam seus movimentos. Esta poderia ser uma cena do Japão feudal do século 13, mas acontece nos dias de hoje, aqui mesmo no Brasil. E os guerreiros são pessoas comuns, que buscam no kenjutsu, a milenar luta com espadas, disciplina e concentração para enfrentar as constantes batalhas do dia a dia. 

Para Walter Pereira, 29, toda luta é uma questão de vida ou morte e seu único objetivo é vencer. Praticante do kenjutsu há dois anos, o gerente de informática conta que a prática o ensinou a superar os desafios cotidianos de forma simples e eficiente. “Acabei com aquelas reuniões intermináveis, sem objetivo definido, e me sinto muito mais seguro para enfrentar discussões com os funcionários, clientes e fornecedores”, afirma. Pereira é um dos mais de 800 alunos do Instituto Niten que se dedicam ao aprendizado da espada e do conteúdo bushido, código de ética de guerreiros do Japão feudal.

Olho no olho

Olho no olho

O gerente de informática também levou para a vida profissional uma das principais estratégias do kenjutsu: o olhar. “Pelo olhar do adversário, já sei se vou ganhar a luta ou não. Fora do tatame, não é diferente. O olhar e a presença de espírito são fundamentais para lidar com os desafios profissionais”. Além da prática do kenjutsu, Walter Pereira segue o bushido e recomenda a leitura do livro Shin Hagakure: pensamentos de um samurai moderno, escrito pelo mestre Jorge Kishikawa, a todos aqueles que queriam entender essa rica filosofia.

Fundador do Instituto Niten, Kishikawa revisou o bushido e fez em seu livro adaptações do antigo código de ética para os tempos atuais. Ao longo de mais de 700 anos de história, o kenjutsu sofreu algumas mudanças. No Japão feudal, o samurai era servo do senhor feudal e guardião dos camponeses. Atualmente, guerreiros urbanos buscam mais qualidade de vida e o autocontrole.

Espírito japonês

Espírito japonês

A “arte da espada”, ou kenjutsu, começou a ser desenvolvida por volta do século 13, com tentativas dos mongóis de invadir o Japão. “A espada já era usada anteriormente. Mas, com a ameaça dos mongóis, os samurais tiveram de aprimorar a técnica e criar métodos mais eficazes de luta”, conta o coordenador-geral do Instituto Niten, SidhartaRezende, co-autor do livro ainda inédito “Manual Prático do Kendo e Kenjutsu”.

Após a 2ª Guerra Mundial, com a derrota do Japão para os Estados Unidos, o governo americano proibiu a prática dos estilos tradicionais de kobudo (artes marciais antigas), entre eles o kenjutsu. “O objetivo era enfraquecer o espírito nacionalista japonês”, explica Rezende. Foi elaborado então o kendo, uma versão simplificada e esportiva do kenjutsu.

Tanto o kenjutsu como o kendo atravessaram os oceanos e alcançaram os centros urbanos do ocidente. E não apenas entre os “nikeis” - descendentes de japoneses. Sidharta Rezende estima que até 60% dos alunos do Instituto Niten são brasileiros sem descendência próxima de japoneses. “Os japoneses do século 21 só querem saber de jogar futebol e baisebol”, afirma Rezende, destacando que a prática das artes marciais está enfraquecida no Japão.

Luta em família

Luta em família

A brasileira de olhos puxados Regina Saito encontrou na prática do kenjutsu a fórmula perfeita que envolve o resgate das tradições japonesas, atividade física, autoconfiança, disciplina e ainda momentos de lazer com os filhos Octávio, 11 anos, e Raphael, 7 anos. Os benefícios do kenjutsu para ela são sentidos diariamente no consultório. A cirurgiã dentista melhorou a postura e não sente mais dores nas costas. Segundo ela, além de unir a família, a arte da espada diminui a ansiedade e proporciona mais segurança nas atitudes e tomadas de decisão. “Raphael é muito agitado e Octávio, muito ansioso. O kenjutsu é uma forma de tirá-los do sedentarismo dos videogames e do computador e, ao mesmo, tempo aumentar a autoconfiança e a concentração deles”, diz Regina.

Para o dentista Maurício Sakura, o kenjutsu proporciona o equilíbrio do corpo e da mente. O benefício vai muito além do uso da estratégia para o sucesso profissional. “Os ensinamentos da arte da espada me ajudam a melhorar meu relacionamento com minha esposa e os meus filhos”, afirma.