Intuição: desenvolva já a sua!

Publicado por Redação em 27/09/2010 às 15h45

Assim como aprender uma língua estrangeira ou tocar um instrumento, desenvolver a intuição exige tempo e dedicação, mas está ao alcance de todos. Veja agora como fortalecer a sua

Além da razão

Texto • Lívia Filadelfo

Imagine a situação: você compra um armário novo e tem de perfurar a parede para pendurá-lo. Arma-se com a furadeira, olha a parede e tem a nítida sensação de que no local em que pretende fazer o tal furo existe uma tubulação de água. Então, você consulta a planta da casa e verifica que não há indicação de canos no local.

Confiante, perfura a parede e, imediatamente, começa a escorrer água. Apesar de corriqueira e sem grandes consequências, trata-se de um exemplo claro, e verídico, de como a intuição funciona. O episódio aconteceu com o professor do Departamento de Engenharia Mecânica da Escola Politécnica (Poli), da USP, Marcelo Massarani. “Não há comprovação científica, mas eu explicaria a intuição assim: os cinco sentidos ‘gravam’ tudo o que experimentamos durante a vida e, na hora de tomarmos uma decisão, grave ou cotidiana, o inconsciente avalia todas essas informações armazenadas e nos indica o que fazer”.

Professor da disciplina Técnicas de Criatividade, do curso de MBA em Gestão e Engenharia de Produtos da Poli, Massarani costuma pedir aos seus alunos que visitem uma feira de produtos ou serviços que nada tenha a ver com a área de atuação profissional ou hobby de cada um. “É um ótimo exercício para estimular a criatividade e desenvolver a intuição. Quanto mais enriquecemos a vida com experiências novas, mais ‘dados’ acumulamos no que poderíamos chamar de ‘memória inconsciente’”.

Um dos caminhos é ser eclético de vez em quando. Outra dica do professor é sempre que possível ler uma revista ou livro de algum assunto ainda desconhecido. Sair da rotina também ajuda a melhorar o potencial intuitivo. Vale fazer um trajeto novo para o trabalho, trocar a rádio que costuma ouvir no carro, mudar o jeito de se vestir. Não é necessário revolucionar a rotina, basta descobrir formas diferentes de fazer as mesmas coisas.
 

Descobertas intuitivas

Conhecida como sexto sentido, a intuição não tem nada de sobrenatural e também não é uma habilidade exclusivamente feminina. “Ela é comumente associada às mulheres, porque está ligada à sensibilidade. Mas pode ser desenvolvida por qualquer pessoa. É como aprender a falar alguma língua estrangeira ou tocar um instrumento, demanda tempo e dedicação”, afirma a psicóloga Virgínia Marchini.

Virgínia, que ministra o curso de Desenvolvimento do Potencial Intuitivo, alerta que é preciso saber diferenciar a intuição dos sentimentos de medo e desejo. “A intuição está diretamente relacionada ao autoconhecimento. Às vezes, ter um pressentimento de que algo ruim vai acontecer com alguém próximo, não passa de insegurança e medo de que uma pessoa querida sofra”.

A capacidade intuitiva foi explicada por Carl Gustav Jung como uma função da psique de desvendar possibilidades, relacionando dois hemisférios do cérebro: o esquerdo, racional e dos dados concretos como números, palavras e regras, e o direito, responsável pela linguagem não-verbal, dos símbolos, imagens e sensações. O resultado da comunicação entre um e outro é a intuição. 

Na carreira e na vida

Decisão profissional

Investir na intuição contribui na hora de fazer um diagnóstico médico, ganhar uma partida esportiva, fechar um bom projeto. Como todo profissional é bombardeado por uma infinidade de dados, tem de ser capaz de identificar rapidamente o que de fato importa. Para os engenheiros, por exemplo, essa capacidade é muito importante. Nesta área, é crucial para o profissional ter conhecimentos técnicos e habilidade para analisar a situação e tomar decisões. “Hoje, a quantidade de conhecimentos disponíveis é muito grande. É quase impossível para o profissional absorver tanta informação. Assim, cada vez mais, ele precisa ser capaz de decidir intuitivamente, porque não tem tempo de analisar todas as informações fragmentadas”, explica o professor Marcelo Massarani.

Com a atual instabilidade econômica e a rapidez no ritmo dos negócios, o que faz a diferença é a agilidade com que o líder alterna esses dois comportamentos. “É por isso que cada vez mais as mulheres estão conquistando o mercado de trabalho, ocupando cargos de liderança. Por uma questão cultural, elas são levadas a usar mais a sensibilidade e estão mais capacitadas a ter idéias intuitivas”.
 

Conselhos preciosos

“Sei o que fazer, mas não sei por quê” – quantas vezes, você já sentiu que deveria tomar uma decisão impulsiva, porém acertada, mas não o fez porque teve medo? “Em um teste de múltipla escolha, a maioria das pessoas já passou pela situação de ter certeza da resposta correta de uma questão, mesmo sem ter estudado determinado assunto”, exemplifica a psicóloga Virgínia Marchini. É a voz da intuição, e ela nunca falha, garante a consultora americana Laura Day, no livro Manual de intuição prática (Editora Rosa dos Tempos).

Segundo a autora, que atende famosos como a atriz Demi Moore, a intuição capta fragmentos da realidade, em geral, de forma simbólica, paralelamente ao pensamento racional. Então, para aumentar a capacidade da mente de organizar esses símbolos e interpretá-los de maneira coerente é preciso desacelerar e deixar a razão descansar.

Até o momento não existe uma explicação lógica e científica para a chamada decisão intuitiva. Mas é preciso não confundir intuição com medo e desejo. “Como se fossem vozes muito parecidas, estes sentimentos têm timbres diferentes e é essencial saber distingui-los”, compara Massarani. O estresse e o ritmo acelerado de vida são inimigos da intuição. Aquietar o corpo e a mente, vasculhar as próprias emoções e sensações é fundamental para fazer a intuição aflorar. Exercícios respiratórios e meditações ajudam a diminuir a ansiedade. Calmos, nos tornamos mais propensos a ter ideias intuitivas. Nada melhor, então, que relaxar e deixar a intuição fluir, naturalmente.  

Como abrir seus canais intuitivos 

Como abrir seus canais intuitivos

Intuição todos têm. Mas como identificar essa voz que vem de dentro? O primeiro passo é o autoconhecimento, ou seja, a trilha para a intuição é sempre individual. Contudo, a psicóloga clínica Virgínia Marchini ensina algumas dicas para começar a desenvolver e exercitar o potencial intuitivo. Acompanhe.

• Encontre na rotina um tempo para ficar em silêncio e para o recolhimento.

• Ouça a voz do coração. Na maioria das vezes, a intuição nos manda fazer algo que nunca faríamos espontaneamente.

• Acalme-se. Afaste o medo e a preocupação. Nestes estados, a intuição, que é sempre positiva e criativa, fica retida e somos incapazes de identificá-la.

• Fique atento à sincronicidade dos acontecimentos, porque nada acontece por acaso.

• Exercite sua intuição. Antes de olhar no relógio, tente adivinhar que horas são. Antes de ligar para alguém, tente saber como a pessoa está. “Assim, você adquire o hábito de ouvir a intuição e, em algum tempo, verá que ela sempre acerta”.

• Registrar e interpretar sonhos e impressões também ajudam, porque essas práticas facilitam o acesso ao mundo interno. Mas é preciso cuidado, pois a linguagem dos sonhos não é literal. “Sonhar que há um carro caindo num precipício não significa propriamente que ocorrerá um acidente com alguém próximo. Pode ser uma metáfora de como você está conduzindo sua vida, por exemplo”.
 

Vantagens de ouvir a voz do coração

Sonhos, visões, sensações corporais, insights, inspiração ou criatividade – a intuição aparece de várias formas e percebê-la é apenas uma questão de deixar a lógica e a razão de lado por alguns instantes. Não se trata de algum tipo de inspiração divina, portanto não é preciso ser místico nem religioso para acreditar nela. No livro Você já sabe o que fazer (Editora Nova Era), Sharon Franquemont relaciona algumas das vantagens de usar a intuição.

● Permite ter visão de futuro (e saber como fazê-la funcionar)

● Ajuda a identificar membros produtivos de um grupo

● Mobiliza a energia da equipe para determinado foco

● Auxilia a investigar as oportunidades e a examinar os problemas antes que surjam de fato

● Faz discernir qual informação é importante rapidamente (e descartar aquela que não é relevante)

● Ajuda a não desviar a atenção de um objetivo por causa de dúvidas ou receios

● Facilita a intimidade dos relacionamentos, porque valoriza as relações